Miqueias foi um profeta que exerceu seu ministério entre 750 a 686 a.C. na mesma época em que Isaías e Oseias. Nesse período o povo de Israel vivia num momento de prosperidade em que lucravam bastante com sua colheita e ostentação bons negócios. O povo passou a se afastar de Deus, e a viver uma vida ímpia.

“Por isso, lamento e uivo; ando despojado e nu; faço lamentações como de chacais e pranto como de avestruzes. Porque as suas feridas são incuráveis; o mal chegou até Judá; estendeu-se até à porta do meu povo, até Jerusalém”.

Miqueias 1.8,9

Reparem que essa profecia é destinada a duas realidades, a dois contextos que se cruzam: o de Israel, cuja capital é Samaria; e o de Judá, cuja capital é Jerusalém. Samaria e Jerusalém. São as duas cidades a quem se destina a mensagem da profecia de Miqueias. Ambas as cidades estavam vivendo uma vida farta e desregrada, em todas as áreas e em todos os poderes. Essa mensagem se destinava,

Às autoridades políticas: “Disse eu: Ouvi, agora, vós, cabeças de Jacó, e vós, chefes da casa de Israel: Não é a vós outros que pertence saber o juízo? Os que aborreceis o bem e amais o mal; e deles arrancais a pele e a carne de cima dos seus ossos; que comeis a carne do meu povo, e lhes arrancais a pele, e lhes esmiuçais os ossos, e os repartis como para a panela e como carne no meio do caldeirão?” (Miqueias 3.1-3)

Aos juízes que julgam com suborno: “Os seus cabeças dão as sentenças por suborno” (Miqueias 3.11a) e “o juiz aceita suborno” (Miqueias 7.3)

Aos sacerdotes e profetas interesseiros: “Os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não está o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevir” (Miqueias 3.11b).

Vemos que na época de Miqueias Jerusalém e Samaria viviam contextos de corrupção por todos os lados. O povo de fato havia virado às costas para Deus e para sua Palavra, enquanto sacerdotes e profetas, simplesmente, falavam o que o povo queria ouvir, de acordo com seus próprios interesses.

Os dias de hoje não inventaram nada, tudo já existia. A corrupção, a violência e a maldade. A inversão de valores estava na boca do povo e segundo a profecia de Miqueias “Os piedosos desapareceram do país; não há um justo sequer. Todos estão à espreita para derramar sangue” (Miqueias 7.2)

O que podemos dizer é que tanto no contexto de Miqueias, quanto no nosso contexto de hoje a corrupção e a violência são frutos do sistema caído que vem desde Adão e Eva até hoje. E desembocará no governo do Anticristo no fim dos tempos. Tudo isso é fruto desse sistema pecaminoso desde o pecado original.

O único que pode nos salvar dessa miséria humana é o sangue de JESUS Cristo na Cruz do Calvário. Nossa salvação: o Filho de Deus. Miqueias continua em sua profecia: Mas quanto a mim, ficarei atento ao Senhor, esperando em Deus, o meu Salvador, pois o meu Deus me ouvirá” (Miqueias 7.7)

O nosso Salvador é Jesus, que derramou o seu sangue pelos nossos pecados. Ele foi crucificado em nosso lugar. E todos que cremos em seu nome seremos salvo. Ele é a verdade, o caminho e a justiça. Amém?