Vários acontecimentos marcaram a semana passada e que eu gostaria de analisar. Vamos aos fatos e às análises.

1. Na semana passada, completaram 10 dias de prisão da ativista apoiadora do Bolsonaro e foi solta dia 24 (quarta-feira), com algumas restrições: como ter que permanecer em sua cidade, restrições nas redes sociais, e ela não pode se aproximar do palácio do Planalto, ou do STF. Detalhe é que ela ainda não foi julgada, mas sofreu uma pena. Ela alega que não sabe até hoje qual o crime a que ela está sendo acusada.

2.Na última quarta-feira, dia 24, a TV Bandeirantes fez, por incrível que pareça, um programa no AQUI NA BAND sobre o conservadorismo, chamando para isso alguns conservadores, entre eles, o jornalista Allan do Santos. O apresentador Michel Lacombe, na ocasião se declarou um conservador e o programa foi sucesso no dia. No dia seguinte a Band noticiou a demissão do apresentador e as mudanças radicais que terão o programa.

3.Na semana passada, o jornalista Oswaldo Eustáquio foi preso pelo STF. Mais um preso político por defender o conservadorismo e o presidente Bolsonaro. O STF está, claramente, infringindo o inciso IX do artigo 5° da Constituição que diz que é garantida a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação. Percebemos que no caso dos conservadores a constituição não vale. 

O que vemos é que o discurso conservador está sendo combatido pela sistema de poder. Estamos sofrendo vários tipos de perseguições: prisões ilegais, censura nas redes sociais e na imprensa, e investigações cujo objetivo é intimidar as pessoas que defendem tal discurso. Afinal de contas, qual é o real perigo do discurso conservador proliferar no Brasil?