Bom dia, Brasil.

A grande questão que Shakespeare, em pleno início do século XVII, propôs ao dizer “ser ou não ser”, foi agir ou pensar? Não que uma coisa excluísse a outra, mas ele questiona o seguinte: viver em função dos seus pensamentos, ou viver dos seus atos? Um filósofo francês escreveu na mesma época: “Penso, logo existo”. Para Shakespeare, devemos tomar nossas decisões e agir. Para Descártes, eu vivo em função do pensar.

Creio que essa seja a grande reflexão que devemos fazer nos dias de hoje? Ser, ou parecer? Agir, ou ficar só pensando? Viver uma grande vida? Ou morrer no esquecimento?

É isso aí, queridões e queridonas, tenham bons estudos.