➡ Olá, amigos e alunos,

➡ Eu estou lendo Memórias de um Sargento de Milícias, e me deparei com o seguinte trecho,

– “Poucos dias depois aconteceu que a cigana fazia anos; segundo o costume, apenas apareceu este pretexto, armou-se logo uma função: não nos daremos ao trabalho de descrevê-la; em um dos capítulos antecedentes já viu o leitor o que isso era: viola, modinhas, fado, algazarra, e estava a festa completa”.

➡ A frase “em um dos capítulos antecedentes já viu o leitor…” me deixou refletindo sobre gramática 😂. Lembrei das aulas de redação e gramática da professora Rosa Maria, na minha infância. Eu já amava gramática, e na aula que eu lembrei, a professora me falou sobre Anáfora e Catáfora. Não, leitor, não se trata de nomes de uma dupla sertaneja universitária rs (mas poderia ser), e sim de elementos de coesão de um texto.

➡ O livro Memórias De um Sargento de Milícias está cheio destes elementos. “em um dos capítulos antecedentes” está retomando informações já expressas pelo autor. Essa retomada se chama Anáfora.

➡ Em um outro trecho do mesmo livro, lemos: “Cumpre-nos agora dizer alguma coisa a respeito de uma personagem que representará no correr desta história um importante papel”. Veja aqui que ele diz sobre a personagem que ela “representará” um importante papel. Nessa passagem, o leitor é levado a refletir sobre algo que ela ainda fará, isso gera uma expectativa no leitor que dá uma dinâmica interessante ao livro. Falar sobre algo que irá acontecer é chamado de Catáfora.

➡ Lembremos, Anáfora retoma algo que foi dito antes; enquanto a catáfora cria a expectativa do que será dito futuramente. São dois elementos complementares de ligação do texto tal qual uma dupla sertaneja. Rs. Ok? Até a próxima e bons estudos.

➡ Curta, espalhe e compartilhe