Nessa semana, eu li um livro chamado A Ressurreição, de Machado de Assis. Foi o primeiro romance publicado por ele, mas não tem nada a ver com o realismo dos seus livros seguintes. Trata-se de um romantismo com traços de genialidade. Só algumas marcas machadianas rs

➡ Esse livro fala da vida amorosa (enrolada) de Dr. Félix, com a personagem Livia. Tem todo o drama exigido pelos romances românticos da época anterior de Machado, porém já existe alguns elementos da literatura machadiana, como a metalinguagem (narrador falando sobre a escrita do romance) ou as famosas conversas com os leitores do livro rs

➡ Entretanto, a maior marca deste romance, na minta modesta opinião, são os dois triângulos amorosos, tanto Félix, quanto Lívia deram uma puladinha na cerca. Kkkkkk. O que dá um tom realista, porque no romantismo os personagens sempre são puros e castos. No realismo, os personagens aparecem com suas malícias e seus pecados.

Leia um trecho do livro:

“O desenlace desta situação desigual entre um homem frio e uma mulher apaixonada parece que deve ser a queda da mulher: foi a queda do homem. Para triunfo da viúva, Félix contava apenas com a sua resolução; mas a viúva, além do seu amor, tinha dois auxiliares ativos e latentes: o tempo e o hábito. Cada dia que passava caía como uma gota d’água no coração do médico, e ia cavando fundo com a fria tenacidade do destino. Ironia da sorte chamará o leitor a este desfecho de uma situação que, algumas semanas antes, tão outra se lhe afigurava. Chame-lhe antes lógica da natureza, porque o coração de Félix, que aparentava ser de mármore, era simplesmente da nossa comum argila”

(ASSIS, Machado de. A Ressurreição. E-book Kindle.)

#resenhas
#resumos
#literaturabrasileira
#machadodeassis
#vestibular
#enem2019